Jamil Name é formalmente apontado como mandante da execução de filho de PM

Jamil Name é formalmente apontado como mandante da execução de filho de PM IMAGE
GLAUCEA VACCARI

Juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Aluizio Pereira dos Santos, decretou a prisão preventiva de Jamil Name e de Jamil Name Filho pela execução do estudante de Direito Matheus Coutinho Xavier, filho do capitão reformado da Polícia Militar, Paulo Roberto Teixeira Xavier. Integrante de organização criminosa que teria envolvimento com vários homicídios na Capital, esta é a primeira vez que os Name são formalmente vinculados a crimes de pistolagem. 

Além de Name e do Filho, juiz também decretou a prisão preventiva do policial civil aposentado Vladenilson Daniel Olmedo e converteu de temporária para preventiva as prisões dos pistoleiros Juanil Miranda Lima e José Moreira Freires, do ex-guarda municipal Marcelo Rios e do hacker Eurico dos Santos Mota, todos acusados de integrarem a organização criminosa envolvida em crimes de pistolagem e milícia armada.

Conforme o juiz, a milicia é estruturada com divisão de tarefas e, desde o início do grupo, em junho de 2018, os integrantes começaram a praticar crimes de homicídio, entre eles o de Matheus, ocorrido em 9 de abril deste ano, no Jardim Bela Vista, em Campo Grande.

Durante as investigações, Polícia Civil afirma que ficou demonstrado que todos os acusados planejaram a morte do policial militar, mas por erro de execução, acabaram matando o filho dele por engano.

Jamil Name e o filho são apontados como mandantes do crime e teriam determinado que Marcelo Rios contratasse os pistoleiros, José e Juvanil, para a execução. Rios e Vladenilson também forneceram veículos e armamento para o homicídio, enquanto o hacker ajudou na localização do endereço atualizado da vítima.

O crime ocorreu no dia 9 de abril deste ano. Matheus deixava a garagem da casa onde morava, em uma caminhonete S10, que pertencia ao pai dele, quando dois homens se aproximaram em um veículo e já desceram atirando. A vítima foi atingida ao menos sete vezes por um fuzil calibre ponto 762, de acordo com o apontado pela perícia. Os bandidos fugiram após os disparos.

Quanto aos outros crimes que também teriam sido cometidos pela organização criminosa, das vítimas Ilson Martins Figueiredo, Orlando da Silva Fernandes e Cláudio da Silva Simeão, juiz afirma que “tais fatos não mostram nenhuma conexão ou continência” com o de Matheus e caso outras representações forem formuladas em face dos investigados e da organização criminosa, autoridades policiais deverão apresentar novas representações.

OMERTÁ

As denúncias de envolvimento de Name e Name Filho em crimes começaram em maio deste ano, após a apreensão de um arsenal em poder do guarda municipal Marcelo Rios (detido no Presídio Federal de Campo Grande). Além dos Name, outros quatro guardas municipais e cinco policiais (sendo um federal),foram presos, apontando também o envolvimento de um advogado.

A Operação Omertá está em andamento desde o fim de setembro. Os assassinatos de pelo menos três pessoas estão relacionados com o grupo de extermínio sob investigação: do policial militar reformado Ilson Martins Figueiredo, ocorrido em 11 de junho do ano passado; do ex-segurança Orlando da Silva Fernandes, em 26 de outubro de 2018; e do estudante de Direito Matheus Xavier, em abril deste ano. 

Banner Lateral (1)
ouça online
Banner Lateral (2)