Donos de grupos de Whats poderão ser punidos por fakes dos amigos com nova lei

Donos de grupos de Whats poderão ser punidos por fakes dos amigos com nova lei IMAGE

Em tramitação no Senado, o projeto de lei 246/2018 prevê punições mais rígidas para a divulgação de notícias falsas, as populares fake news.

Entrevistado pelo TopMídiaNews, Raphael Chaia, advogado especialista em direito digital e professor da UCDB, destaca que a proposta, se aprovada, prevê punições para donos de grupos de WhatsApp onde são divulgadas as informações falsas. 

O texto prevê propositura de ação civil pública contra notícias falsas que atinjam interesses coletivos, neste caso, tendo como órgãos de solicitação o Ministério Público, Estado, Defensoria ou União. 

“A lei de ação civil pública prevê indenização ou reparação de danos que sejam causados ao consumidor, meio ambiente e pode ser usado quando houver danos em interesses difusos coletivos, ou seja, que cause dano a várias pessoas ao mesmo tempo”, diz o professor.  

Combate ao problema

Mas com a aprovação da lei, o problema será resolvido em 100%? Parao professor, não. Ele aponta que a questão será: quem irá dizer o que é fake news? 

Esse ano, por exemplo, uma decisão errada do STF (Supremo Tribunal Federal) determinou que os jornais “Crusoé e O Antagonista” retirassem do ar uma reportagem que citava o ministro Dias Toffoli. O STF alegou que a notícia era falsa num primeiro momento e, após checagem, voltou atrás da decisão.

Solução

Para o especialista, além dos veículos de comunicação agirem com a mesma rapidez em divulgar a verdade, existe a questão de acesso à informação.

Raphael acredita que as assinaturas de jornais online para ver o conteúdo podem prejudicar a divulgação da verdade, frente às notas falsas distribuídas de forma gratuita.

“O problema, no Brasil, é que combatem problemas novos com soluções velhas. Se você derruba o WhatsApp com liminar, não funciona. Mentira a gente resolve com a verdade”, diz. 

Ele ainda salienta que o investimento em agências de checagem nacionais vinculadas a IFCN (International Fact-Checking Network) seria vantajoso pela confiança de fontes.

(Advogado especialista Raphael Chaia- Foto: Reprodução Facebook
Banner Lateral (1)
ouça online
Banner Lateral (2)