Com apenas um candidato, eleitores de Japorã escolhem novo prefeito

Com apenas um candidato, eleitores de Japorã escolhem novo prefeito IMAGE

Com apenas um concorrente, os 5.586 eleitores de Japorã, foram as urnas ontem e elegeram Paulão Franjotti (PL). Após o afastamento do então administrador da cidade, Vanderlei Bispo (PTB), apenas o então vereador colocou seu nome nas urnas. 

Com 100% dos votos válidos, Paulão deve concluir o mandato, assumindo o posto de chefe do Executivo. A cidade tem 21 seções de votação. De acordo com o TRE foram 165 votos brancos e  73 nulos, a abstenção chegou a 35,37%.

A apuração das urnas foi realizada no Fórum de Mundo Novo, cidade vizinha de Japorã e o tempo de esperar foi de quase duas horas porque uma parte do eleitorado é da aldeia Porto Lindo e conforme a Política Militar, são quase 60 km da cidade, sendo a maior parte de estrada vicinal. 

Para concluir o mandato que vai até 31 de dezembro de 2020, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS) marcou o pleito que vai escolher o novo chefe do Executivo municipal e seu respectivo vice. 

As eleições foram realizadas porque em outubro o então prefeito, Vanderlei Bispo, o vice Gilvan Perin (PSDB), além da vereadora Daiana Franzoni (PRP) tiveram o afastamento do cargo determinado pelo TRE. Com os afastamentos, o presidente da Câmara Municipal, Franjotti, assumiu o cargo até a realização de uma nova eleição.

Também foi determinado que a Câmara dê posse ao suplente da vereadora afastada, Franzoni.

HISTÓRICO

Bispo, Perin e Daiana foram condenados pelo juiz da 33ª Zona Eleitoral, Guilherme Henrique Berto de Almada, por captação ilícita de sufrágio nas eleições municipais de 2016.

Em sua decisão, o magistrado considerou ter havido uso da máquina administrativa para promoção pessoal, desvio de verbas públicas para uso em campanha, distribuição de cestas básicas a famílias indígenas, reforma de poço artesiano em assentamento, simulação de compras de uniformes escolares e simulação de reforma de um prédio público.

Ambos recorreram ao TRE, que manteve a cassação dos mandatos. Em seguida, eles recorreram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que negou recurso e determinou a execução imediata da decisão da corte estadual.

Banner Lateral (1)
ouça online
Banner Lateral (2)